ArtigosFuturoGeralInteligência ArtificialInternetOpnião

Estamos nos tornando Zumbis Digitais.

Todos aqui ou 99% já assistiram ao filme Matrix, que conta a história de uma vida paralela à tecnologia , com a dominação das máquinas sobre a humanidade. Mas será que a matriz é real? Será que estamos vivendo como zumbis em uma corrente de convicção infinita?

Como desenvolvedor eu poderia entrar no assunto mais complexo falando códigos mas esta não é a intenção, pelo menos neste texto. (rs)

Envolvidos no mundo virtual, nos perdemos na ilusão de conexão, mas nos afastamos da verdadeira essência humana. O constante uso da tecnologia nos transformou em zumbis digitais, vagando por um universo denominado Metaverso. A dependência dos dispositivos eletrônicos nos alienou do presente, enquanto alimentamos um fascínio superficial por uma realidade distorcida pra o futuro.

Nessa teia de interações virtuais, perdemos a profundidade dos relacionamentos reais. A comunicação tornou-se quase que descartável, substituída por emojis e abreviações. A arte de trocar olhares e expressar emoções foi gradativamente substituída pelo toque gelado das telas e pelas palavras digitadas em silêncio. Aquela risada é real? Aquele emoji é real?

Nosso mundo se tornou silencioso, com vozes ecoando apenas nos inbox de cada rede social que temporiza uma verdade plena de tudo que temos e da falta do que precisamos.

E enquanto mergulhamos no mar de informações, a dúvida sussurra em nossos ouvidos: Será que nossa percepção está sendo moldada pelas engrenagens invisíveis no mundo digital? Será que estamos vivendo uma vida simulada, aprisionados nas teias dos algoritmos que sabem mais sobre nós do que nós mesmos? São mais perguntas que respostas.

Eu trabalho com tecnologia do dia todo, e sei que hoje a inteligencia artificial faz parte até das suas pequenas decisões, isso de forma direta ou indireta, ela está na cor, no tracking do seu celular ou até mesmo na tempratura ocular daquele anúncio que passa por milessimos de segundos.

Além disso, a constante exposição às telas e a luz azul emitida pelos dispositivos eletrônicos têm impactos negativos na nossa saúde física e mental. Pesquisas mostram que o uso excessivo da tecnologia está relacionado a problemas como ansiedade, distúrbios do sono, dores de cabeça e problemas de visão. Estamos sacrificando nossa saúde em prol da nossa interação virtual.

Outro aspecto preocupante é a perda do senso crítico. Com a superabundância de informações disponíveis online, tornou-se cada vez mais difícil discernir entre o que é verdade e o que é apenas especulação ou desinformação. Estamos absorvendo conteúdos sem questionar sua veracidade, o que pode levar a uma sociedade manipulada e controlada por narrativas falsas.

Ao refletir sobre todas essas questões, é inevitável fazer um paralelo com o universo e a tecnologia está entre nós. Será que nossa realidade é apenas uma ilusão criada pelas por algoritimos ?

Estamos sendo controlados inconscientemente pelos avanços tecnológicos? Essas são perguntas complexas e difíceis de responder, mas trazem à tona a necessidade de refletirmos sobre nosso próprio envolvimento com a tecnologia.

Não há como negar que a tecnologia trouxe muitas melhorias para nossas vidas. Acessibilidade à informação, facilidade de comunicação e avanços em diversas áreas são apenas alguns dos benefícios que desfrutamos. No entanto, é importante buscarmos equilíbrio em nosso uso, para não nos perdermos na busca incessante por estímulos virtuais.

Devemos aprender a usar a tecnologia a nosso favor, ao invés de sermos dominados por ela e valorizar os momentos reais de interação, reduzir o tempo de exposição às telas, praticar atividades offline e exercitar o senso crítico são algumas medidas que podemos adotar para combater o “zumbismo tecnológico” e recuperar nossa autonomia e conexão com o mundo real.

Matrix pode não ser real no sentido literal, mas sua mensagem sobre a importância de questionarmos nossa realidade e nosso envolvimento com a tecnologia é extremamente relevante.

Não devemos nos tornar escravos das máquinas, mas sim utilizar as ferramentas tecnológicas como instrumentos para o nosso desenvolvimento pessoal e coletivo.

Está em nossas mãos decidir se queremos permanecer aprisionados na ilusão ou se estamos dispostos a despertar para uma vida mais plena e autêntica. O futuro está em constante evolução, cabe a cada um de nós moldá-lo da melhor forma possível.

👋 Sou um #DevOps Engineer vivendo o dia-a-dia na area de tecnologia, a vida como ela é! Quer acompanhar esta jornada ? basta seguir nos links abaixo.

⚡ Se inscreva no YouTube : https://lnkd.in/dmqKeBNg

🔥 Siga meu canal no telegram: https://t.me/spokmonkey

✆ Entre para o grupo do Whatsapp: https://lnkd.in/demJRca8

#Desenvolvedor #VidaDeDev #Programação #Tecnologia #LifestyleTech #DesenvolvimentoDeSoftware #CodeLife #DicasParaDev #TechCommunity #DevLife #CarreiraDeTI #AprenderProgramação #InspiraçãoParaDevs #ProdutividadeTech #CoderLife #ProblemasDeDev #TechTalks #CódigoReal #ColaboraçãoEmEquipe #RealidadeDaProgramação #lgpd #inteligenciaartificial #ia #ai #Artificialintelligence

Weder Costa

Menos qualificado, esperto e rico do que parece aqui. Um DevOps Engineer vivendo o dia a dia na area de Tecnologia, a vida como ela é! Top 100 influencer Tech I.A e Rede Neural Brasil 🏆 Preparando executivos e empresas para Tecnologia Inteligência Artificial 🚀 🤖 C.E.O e Fundador BookMaps, Formado em Marketing e experiência em TI como desenvolvedor há 15 anos, analista de sistemas, consultoria, arquiteto de soluções e gerente de projetos. Certificação em Black Belt e ênfase em Inteligência Artificial sendo reconhecido pelo Sebrae como precursor da tecnologia de Rede Neural no Brasil em 2014. Especialista nas linguagens (PHP,JAVA, Python, R e GO)

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo